Os Arquivos do Passado

Há confusão na floresta.
Floresta do bicho homem.
Um rastro,
Rastro de sangue,
Foi encontrado.
Não há água que lave
a mancha da grama.
Borracha que apague
a lembrança.
O burburinho começa,
Como sempre há de começar.
O povo espera.
Aguarda.
Dias.
Meses.
Anos.
O rastro hoje, já é velho.
Novidade mais não é.
Não se comenta o assunto.
A resposta traz o medo.
Medo pela própria pele.
Lembranças dos pecados
(do passado).
Mas o povo ainda espera.
E quanto mais o tempo passa,
Mais o rastro brilha,
Luminoso,
A certeza que um dia,
O nosso passado será, verdadeiramente,
nosso.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s