Publicado em Contos

A Volta dos que não Foram

     
       E há o sentimento de prisão. De querer fugir. Sair daqui, dessa pequena redoma, deste pequeno espaço no qual fomos criados. O conhecimento aprisiona, e podemos concordar que conhecemos este lugar como a palma da nossa mão.
       É pequeno demais, abafado demais. Todos se conhecem. Por uma vez, queremos algo novo. Queremos ir.
       Eventualmente, vamos. Não em fuga (pelo menos não a maioria), mas em busca do algo que faltava dentro de nós. Procuramos em cada esquina, cada rua. Procuramos no céu e na terra. Mas não há jeito, o maldito pedaço não quer aparecer. Na verdade, é como se ele tivesse se expandido, e agora não é um quarto do seu coração, é a construção inteira que falta.
       Eventualmente também, voltamos. Voltamos à Pátria Amada, ao lar. A todos aqueles clichês que antes eram sem sentido, mas que agora fazem todo o sentido do mundo. E pouco a pouco, as paredes e janelas e portas e o teto que haviam sido destruídos foram voltando aos seus lugares. Mas desta vez, com o quarto que eu não sabia que na verdade, sempre estivera lá.
       Só que eu era muito “ainda-não-eu” pra perceber.

Anúncios

Autor:

Minha profissão é mentir sobre tudo bem o suficiente para que vocês acreditem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s