A Despedida

       E não havia mais nada a fazer. Os dois se olharam, um com um sorriso tristonho e ela com a expressão enigmática, os olhos focados em algum ponto acima dele, evitando seu olhar.
       – Em que pensas? – Ele pergunta após um tempo, cautelosamente, com medo da resposta ou talvez de quebrar o momento. Ela não respondeu por alguns minutos, o olhar ainda perdido no espaço, a mente talvez a milhões de quilômetros dali.
       – Em você. – Respondeu por fim, fixando os olhos amendoados nos verdes dele. – Em que mais poderia pensar?
       Aquilo trouxe um sorriso bobo no rosto dele, que estendeu a mão para ela. Instintivamente, ela deu dois passos pra trás. O sorriso no rosto dele desvaneceu. Ela suspirou. Aproximou-se dele, pegando a mão que ele deixara cair.
       – Perdoe-me. – Sorriu fraco e abraçou-o, seus braços ao redor do pescoço dele, acariciando seus cabelos, sentindo seu cheiro enquanto ainda podia. – Você tem que entender o quanto isso é difícil para mim.
       Ele retribuiu o abraço, acariciando suas costas carinhosamente.
       – Acredite. Eu entendo.
       Na mesa, o café esfriava, sua fumaça se dissipando no ar de fim de tarde de Paris.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s