Partidas e os que são deixados para trás (parte II)

       E apesar de todas as pistas, todos os pequenos “adeus” que ela dava todos os dias, todos os gestos que provavam que há muito ela já não nos pertencia, eu não consegui deixar de me sentir traído ao acordar um dia e não encontrá-la ao meu lado. Nenhum bilhete. Nenhum adeus. Nenhum nada.
       Eu já deveria saber, é claro. Eu deveria ter previsto. Mas eles dizem que o amor é cego, e aparentemente eu também sou. Não me toquei quando acordei naquele dia e você já estava acordada, olhando fixamente para o horizonte. Não me toquei quando você preparou café preto forte e colocou em uma jarra perto da janela. Não me toquei quando você sussurrou “Adeus” antes de adormecer na noite anterior, e por isso eu me chuto mentalmente e me desespero, enrolado nos lençóis que antes cobriram o seu corpo.
       O desespero me consome, enquanto o seu cheiro me sufoca lentamente, e deixo-me afundar cada vez mais na cama. Eu poderia ter te parado. Eu poderia ainda te ter.
       Fui abandonado.
      Mas não estou sozinho.
       A solidão entrou pela mesma porta que você saiu.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s