24 andares em um prédio de oito

Essa madrugada me toquei da verdade de duas frases distintas sobre a profissão de escritor: Escrever é se apaixonar. Constantemente. O tempo todo. Por todos, por tudo, por qualquer coisa, por nada em particular. Escrever é necessidade, não lazer ou ganha-pão. Descobri que escrever não é o remédio para as minhas noites insones, mas aContinuar lendo “24 andares em um prédio de oito”

“Seja tão bom que eles não possam te ignorar”

Eis a verdade que nunca lhe contam sobre essa frase anônima típica de livros de autoajuda: ela não reflete todas as noites insones em que você ponderou acerca da relevância do seu trabalho, ou mesmo da sua existência. Ela não reflete toda a dor de ser ignorada, de ser interrompida, ou mesmo de ser subestimada. ElaContinuar lendo ““Seja tão bom que eles não possam te ignorar””

O dia em que o Morro do Careca queimou

Quando eu estou enfrentando uma fase particularmente difícil de uma crise de ansiedade, minha mãe costuma dizer que meu problema é sede de viver. Hoje, mais do que nunca, eu gostaria de gritar aos céus que ela tem a mais absoluta razão. Eu tenho sede de viver Porque a Constituição me assegura a liberdade deContinuar lendo “O dia em que o Morro do Careca queimou”

O Melhor Dia da Minha Vida

Slavia me contou que considerava livros paradidáticos como livros chatos, e foi com muita relutância que resolveu dar uma olhada no meu na noite anterior à minha visita a sua sala – dois anos atrás, quem estava ali, encarando a pessoa que se movimentava no tablado, era eu. Tive um flashback momentâneo da minha chegada eufóricaContinuar lendo “O Melhor Dia da Minha Vida”

“O BRASIL É UM LIXO” ou a minha carta aos demais membros da geração Y.

Caríssimos, Convivo diariamente com outros membros da geração Y, apesar de ser a mais nova entre eles. Ontem, tive a oportunidade de ensinar sobre um assunto pelo qual sou muito apaixonada para alguns representantes um pouco mais jovens da minha geração, que já nasceram nesse novo século. Então, perdoem-me se pareço prepotente, mas acho queContinuar lendo ““O BRASIL É UM LIXO” ou a minha carta aos demais membros da geração Y.”

Os piores dias…

… são sempre reprises de episódios passados. E de repente eu tenho oito anos novamente e estou recebendo uma advertência da coordenadora por ter arranhado um coleguinha. Ela não se deu o trabalho de perguntar por que eu fiz isso. E de repente eu tenho dez anos de novo e a mãe de outro colegaContinuar lendo “Os piores dias…”

Turistas

Li certa vez um artigo na aula de francês que dizia, em um determinando momento, que “turistas são os outros”.  Houve uma breve discussão na aula sobre a definição de “outro”, ao que todo mundo prontamente concordou que se tratava daquele que vinha de outro país, de outro estado, as vezes até de outra cidade.Continuar lendo “Turistas”

Um resposta às minhas próprias perguntas (que seja eterno enquanto dure).

Mas e se… O amor existisse com a certeza de ser sempre eterno? E se o eterno não assustasse? E se o medo não mais fosse o principal obstáculo? E se os obstáculos fossem todos invenções? E se todas as invenções fossem reais? E se o que fosse real fosse bom? E se o queContinuar lendo “Um resposta às minhas próprias perguntas (que seja eterno enquanto dure).”