Ondas do (no) céu

     
        E dane-se a física. Quero que as ondas me levem, me carreguem. Quero toda a imensidão do céu me possuindo, me tomando. Quero beber da água do mar, brincar com as nuvens, usá-las como travesseiros. Quero dançar na chuva, mas não como todos que saem das ruas e entram nos braços da noite. Quero voar, voar para longe, deixar que o vento e a água lavem-me e levem-me, para onde Deus quiser. Sem preocupações. Sem pensamentos. Sem nada. Só o meu corpo e minha alma, já que desta última eu não posso me separar. Mas por favor, deixe-me deixar meu coração pra trás. Porque esse só me atrasa. O peso me atrapalha. Me sufoca. Doi. Doi demais. E é a razão, o porquê de eu querer fugir em primeiro lugar.
       Não me julgue. Que pessoa, em sua sã consciência, nunca quis fugir de seus sentimentos?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s